Às vezes se perde a bola do jogo

Em algum lugar de O Príncipe, Maquiavel, aquele bad old motherfucker, fala sobre como a vida é definida pelas oportunidades que se agarra ou se perde.

Bem, ou quase isso…

Eu estou aprendendo tudo esses dias.

Você e Bob sempre souberam que era verdade. (mais…)

Published in: on Março 26, 2011 at 11:38 pm  Comments (5)  
Tags: , , ,

Eu apenas senti

Não foi preciso palavras
Eu apenas senti
De alguma forma sabia
Eu apenas senti

Nem falava (na minha cabeça)
Só carinho
Só aninho
Eu apenas senti

E pra ser franco
Admito meu espanto
Quando eu vi
Eu apenas senti

O medo de jogar fora
De vê-la ir embora
Porque não agi
Eu apenas senti

Eu apenas senti
Com medo de assentir
Eu apenas senti
Assentindo hora sim

E fazendo assim
Procuro em ti
Um pouco de mim
Que eu apenas senti

– Henry Florean

 

*Ao som de The Killing Moon – Nouvelle Vague

Published in: on Março 22, 2011 at 11:33 pm  Comments (2)  
Tags: , , ,

Eu te invejo na noite escura


Eu te invejo na noite escura porque você pode voltar.

Porque o mundo não lhe parece miserável.

Porque você não tem manhãs de ressaca.

Porque o uísque não lhe é uma piscina na qual periga afogar.

Porque você consegue sorrir no fim do dia.

 

Eu te invejo na noite escura porque ela nunca lhe abandonou.

Porque naquele dia importante ela disse “sim”.

Porque você não tem dificuldade de dormir.

Porque mesmo sua vida lhe é o bastante.

Porque as páginas não lhe pedem para serem escritas.

 

Eu te invejo na noite escura porque Vanilla Sky não lhe faz chorar.

Porque seus amigos não morreram em vão.

Porque você nunca se sentiu irremediavelmente perdido.

Porque a fé lhe conforta.

Porque você não se desviou da Terra Prometida.

 

Eu te invejo na noite escura porque você não está no trem rumo ao fundo.

Porque a arte lhe aponta um caminho.

Porque você nunca teve que tomar decisões dolorosas.

Porque você faz amor todos os dias.

Porque o orgasmo não lhe faz querer ir embora ao final.

 

Eu te invejo na noite escura porque você nunca acelerou o carro sem saber aonde ir.

Porque sua gasolina nunca acabou no meio da estrada.

Porque a vida nunca atirou em você até descarregar a arma.

Porque você nunca precisou dormir com medo de morrer.

Porque, em quatorze meses, eu sorri apenas uma vez.

 

Eu te invejo na noite escura porque você tem um sorriso franco.

Porque você não enxerga o fogo devorando Sodoma.

Porque os anjos de Deus lhe pouparam da destruição.

Porque tudo que você precisará fazer é imolar um carneiro.

Porque você não lê a Bíblia em busca de respostas.

 

Eu te invejo na noite escura porque você constituirá uma linda família

Porque não sei o que o tempo fez com a minha.

Eu te invejo na noite escura porque invejar é tudo o que me resta agora.

Eu te invejo na noite escura porque é mais fácil ser você.

Eu te invejo na noite escura, mas nem sempre é noite escura.

 

 

Postado ao som de Milion Miles Away – Offspring

Published in: on Março 20, 2011 at 3:16 am  Comments (5)  
Tags: , , , , ,

“Precisava ver aonde essa história ia dar”

Eu ouvi isso de Thiago Lacerda em Viver a Vida de 04 de dezembro de 2009.

Churrascaria às margens da BR 116.

Quilômetro fim-do-mundo.

Garçom com sono e comida ruim.

Desde já, digo: eu não sou um fã de Manoel Carlos.

No jogo do bicho, eu nem sei quem é Manoel Carlos.

Mas não posso deixar de reconhecer que, com essa frase, ele tocou a fonte.

Claro, como sempre, esse é o ponto de vista de alguém que vive sozinho dias demais e usa guardanapos apenas para limpar o suor do copo de uísque. (mais…)

Sabe aquele copo de uísque?‏

pois é…

Tradução: The Promise

 

Nos três anos entre Born to Run e The Darkness on the Edge of Town, Bruce Springsteen gravou quarenta canções.

Destas, apenas dez foram parar no álbum de 1978.

Outras vieram à luz em Tracks, em 18 Tracks e, mais recentemente, em The Promisse, The Lost Sessions of The Darkness on the Edge of Town.

Nelas, o Springsteen de Born to Run já não existia mais.

Acabara a excitação de estar percorrendo a estrada trovejante apenas por paixão à vida. Nelas, o tema é a decepção de perceber que nem sempre a vida cumpre a promessa de que tudo terminará bem.

Desta safra, a tradução de The Promisse – para alguns, a pessimista continuação de Thunder Road. (mais…)