Drink ao Cotidiano Cor-de-Merda

Carmelita hold me tighter
I think I’m sinking down
And I’m all strung out on heroin
On the outskirts of town

Em outro lugar desse blog, já se disse que beber é algo emocional, arranca você do asilo dos loucos e faz com que renasça inúmeras vezes.

Isso parece legal.

Faz com que tudo o que você escreva pareça charmoso e romântico.

Algumas garotas adoram.

É como o Álvares de Azevedo sem o fetiche escroto por falecidas ou um Henry Charles Bukowski Jr. bem apessoado e levemente suportável.

É isso que parece no papel.

Na vida real, baby, não é bem assim.

Hoje é segunda-feira, alguma coisa de março de 2011.

Estou em minha amaldiçoada mansão no inferno, sem banho há mais de 16 horas e decidido a escrever sobre a ferida que corrói os textos desse blog.

Olhando ao redor, vejo um quarto insuportavelmente quente, garrafas vazias de algo parecido com mijo e doses cavalares daquilo que inspira todos os bêbados a entornarem mais um copo.

A solidão.

Vendo desse ponto de vista, as coisas não parecem tão glamurosas.

Às vezes, as pessoas bebem para comemorar; às vezes, para esquecer.

Na maioria, elas bebem porque não suportam ter apenas elas mesmas.

E isso não tem nada a ver com estar namorando ou casado ou solteiro ou viúvo ou o cacete.

Tem a ver com como você se sente por dentro.

Como quando há uma ótima garota, bonita, inteligente e independente, mas tudo vai de mal a pior porque algo sem nome falta no fundo de seu coração.

Nesse sentido, beber é mesmo algo emocional.

Faz com que o cotidiano cor-de-merda se torne suportável, um pôr-do-sol na praia em milhares de dias sob a chuva.

O problema é quando a bebida se torna a única porta aberta em uma biblioteca cheia delas.

A saída mais óbvia do labirinto.

Pagar uma garota quando seria mais duro (sem trocadilhos) conquistar uma.

É mais fácil beber do que suportar o fracasso emocional que se é.

E pensar assim é agir de forma bem covarde com você e com as garotas.

É andar embriagado em círculos ao redor de seus próprios problemas.

Sabem, quando comecei a escrever esse texto, havia pedido ao meu dono de bar favorito – depois de um tempo, você faz amigos como esses – para me trazer umas cervejas em casa.

Agora, não sei mais como proceder.

Ter uma epifania e persistir na irracionalidade do abismo é atravessar o ponto sem volta.

A campainha tocou.

Hora de finalizar, de qualquer forma, este texto vomitado.

Só me pergunto como me sentirei amanhã com as escolhas que farei hoje.

Mas, depois de chegar à beira do abismo, quem já se sentiu bem no dia seguinte?

Postado ao som de Carmelita – Warren Zevon

The URI to TrackBack this entry is: https://naestradaaopordosol.wordpress.com/2011/04/05/drink-ao-cotidiano-cor-de-merda/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 comentáriosDeixe um comentário

  1. O fracasso de não conseguir sentir.Isso que é mediocridade.

  2. É preciso estar sempre embriagado. Aí está: eis a única questão. Para não sentirem o fardo horrível do Tempo que verga e inclina para a terra, é preciso que se embriaguem sem descanso.

    Com quê? Com vinho, poesia ou virtude, a escolher. Mas embriaguem-se.

    E se, porventura, nos degraus de um palácio, sobre a relva verde de um fosso, na solidão morna do quarto, a embriaguez diminuir ou desaparecer quando você acordar, pergunte ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo que flui, a tudo que geme, a tudo que gira, a tudo que canta, a tudo que fala, pergunte que horas são; e o vento, a vaga, a estrela, o pássaro, o relógio responderão: “É hora de embriagar-se! Para não serem os escravos martirizados do Tempo, embriaguem-se; embriaguem-se sem descanso”. Com vinho, poesia ou virtude, a escolher.

    Embriaguem-se
    Charles Baudelaire

    “Um bicho igual a mim, simples e humano
    Sabendo se mover e comover
    E a disfarçar com o meu próprio engano”

    Vinícius fez pra eu lembrar de você.

  3. […] do mais, acho que já bebemos demais por uma noite, apesar de já poder te desejar um bom-dia. Vá para casa e durma. Espero que da próxima vez dê […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: