New Morning


Gostaria de saber por que isso acontece.
Por que é sempre a mesma coisa sem graça.
Como quando a garota é linda.
Mas é linda.
De que serve uma garota linda após jogar a camisinha fora?
Mas não pensem que isso é mais um daqueles textos sobre relacionamentos.
Não é de o meu feitio andar em círculos.
(Conquanto tenha feito isso compulsivamente, não olho o dia inteiro para o abismo)
É necessário seguir em frente.
Era sobre isso aquele texto de 18 de abril de 2010.
Todos deviam pensar assim.
O que eu não sei por que acontece é um pouco mais complexo do que aquela boceta não-comida.
(Se é que um dia você comeu”, como diria um amigo).
O que eu não entendo é por que as pessoas não são livres.
As que insistem em se manter inexoravelmente aprisionadas a sentimentos de segurança, à falsa satisfação do dinheiro e ao ilusório suposto “poder”.
É o que me interessa mais agora do que “Os Caçadores da Boceta Perdida”.
Isso já cansou a todos nós.
Algo foi dito há quarenta anos, mas continua verdade.
Quando você tem certas pessoas que lhe escutam, você não deve seguir o que elas dizem.
Elas devem seguir – se quiserem – o que você tem a dizer.
É sobre a falta de liberdade das pessoas que eu quero falar agora.
Se você estiver a fim de escutar, bom. “So Mary climb in”.
Se não, vou falar de toda forma.
Você pode ouvir a contragosto ou colocar os fones de ouvido enquanto isso.
Mas é certo que um dia a vida vai lhe exigir essas respostas.
Expansão do assunto de “Na Estrada ao Pôr-do-sol” e novas reflexões começam agora.

A seguir: A SOLIDÃO.

Para se ler ouvindo My Back Pages – Ramones

The URI to TrackBack this entry is: https://naestradaaopordosol.wordpress.com/2011/10/01/new-morning-2/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 comentáriosDeixe um comentário

  1. “Quando algo se quebra dentro de você, é preciso trocar de pele e seguir adiante”.

    “Isso estava escrito no primeiro texto desse blog e eu não tinha percebido que dizia respeito ao futuro”. — alguém que trocou de pele e seguiu adiante.

  2. […] Claro, somos adultos. Já passamos por isso e não é do meu feito andar em círculos. Sobre o sofrimento masculino, há uma jornada arquetípica para o homem que está preso a uma vida […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: