[Tradução] DARKNESS ON THE EDGE OF TOWN – Parte 1

Faz algum tempo, mas eu não faria isso se não sentisse.
Quando traduzi as canções de Born to Run, eu as sentia.
Em meu corpo, mente, amor e sofrimento.
Depois de três anos para Springsteen e dois para mim, aquela sensação passou.
Como acredito que sempre passará, para todos nós.
Darkness on the Edge of Town foi o disco seguinte.
Um libelo da vida adulta contra a adolescência.
Soa sério, mas, no fundo, é apenas dolorosamente verdadeiro.
Não que inexistam garotas e viagens, afinal de contas estamos falando de Bruce Springsteen.
Mas aqui o romantismo é limitado pela realidade.
Como se perdesse a magia e se tornasse quase doloroso.
Springsteen percebeu que há coisas que são melhores no retrovisor.
E quando se economiza para o aluguel, viajar sem rumo com sua garota soa ingênuo –como o lado bom da vida que sempre finda.
A decepção com os sonhos que nem sempre se realizam é a tônica desse disco.
Como disseram, Darkness on the Edge of Town é um glorioso filme B do filme-de-verão que foi Born to Run.
Você não sai feliz desse disco.
Deslizando pela escuridão da periferia, você pode nem sair vivo.
Mas é tentador arriscar, correr, roubar e voltar pra casa com o sustento do dia seguinte.
Afinal, esse é o preço que todos têm a pagar por amadurecer.
Mais uma vez, tentei dar o meu melhor para traduzir as canções.
Sejam bem vindos a elas, mas antes preciso que paguem a entrada bem ali. (mais…)

Published in: on Novembro 14, 2012 at 2:39 pm  Comments (1)