Quando a Luz da Geladeira Queima

a luz da geladeira queimou há vinte minutos
eu desisti dos meus sonhos há exatos sete minutos
os Stones continuam excitando hoje e há cinquenta anos
e a cerveja, bem… ela continua quente no meio das sua coxas
e todo o resto no mundo parece uma piada de mau gosto
anos de suspense mágico e de repente se acaba
eu nunca estive preparado para isso realmente
no final, achava que “every little thing is gonna be all right”
como pude estar esse tempo todo afogado na chuva

agora ele veio, varrendo todos para longe
os espantalhos cheios de palha nos campos de trigo
e estávamos naquela velha e abandonada casa
quando restou uma única vela de cera de abelha
com a chama dançando no vento chuvoso
e não tínhamos nenhum fósforo sobrando
e a próxima cidade estava fora de alcance
no final, nunca tivemos uma chance
como pude estar esse tempo todo sentado na chuva

enquanto esperávamos ele vir, eu conto a estória terrível
sobre o dia em que atravessei outra porta
abandonando o que eu tinha antes do amanhecer
era certamente uma decisão sem volta
e como esperei o último fantasmagórico trem sair
temendo que ela me impedisse de partir
mas isso implicava em deixar de mentir
aquela porta ficou fechada e não ia se abrir.
eu esperei pelo trem sentado na chuva

o sentimento de pertencimento a um lugar, eu nunca tive
quando eles jogavam bola, eu videogame
quando eles videogame, eu dormindo com garotas
quando eles dormindo, eu enchendo a cara até perecer
quando eles encheram a cara, eu casando com você
quando eles casarem, eu devo inventar outra estória
sempre me esquivando e eles sempre seguindo
no fim, todos nunca estiveram tão errados
pois eu estive esse tempo todo sentado na chuva

não chore meu amor, ele não chegará a tempo
vou contar sobre o bar da estrada com a Srta. Solidão
que não sabia relacionar as nuvens no céu
a tempestade de ódio em Like a Rolling Stone
e a doçura de Outra Vez com o Roberto Carlos
ah, a brasa está apagando, não se afaste, amor!
como se alguém se importasse com qualquer coisa
na solidariedade existe um monstro que não faz diferença
pois todos são idiotas que estão afogados na chuva

quando ele chega, você está nu correndo pela ruas
ninguém liga, há mortes demais e você perdeu muitas vezes
então, sua privacidade se tornou uma armadura
onde ninguém entra, você não sai
um jogo de xadrez onde o inimigo é você mesmo
e nessa madrugada da semana, quando a música acaba
e o mágico vai embora sem revelar os truques
você só queria colocar um terno
e apostar todas as fichas na carta perdida
seria uma ótima desculpa para estar enforcado na chuva

Postado ao som de One Man Mutiny- Tommy Stinson

Published in: Sem categorias on Fevereiro 20, 2013 at 9:07 pm  Deixe um Comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://naestradaaopordosol.wordpress.com/2013/02/20/quando-a-luz-da-geladeira-queima/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: