x17124155

Acho que tenho a mania de ficar te olhando. As vezes não sei realmente o porquê disso. Talvez seja por que você seja Minha namorada. Isso mesmo, Minha com M maiúsculo. Não que isso seja um sentimento de posse. Acho que essa não é minha intenção. Mas quando penso em mim no futuro só me imagino ao seu lado.

Sabe, tenho que te confessar que não sei se isso seja uma coisa boa ou ruim.

Então vou continuar te falando, e pode até parecer repetitivo, mas amor é algo que acontece muito raramente e que quando acontece, não se pode simplesmente deixar de lado. Eu não sei se você vai me entender como eu quero que entenda, mas vou me esforçar para fazê-lo.

Tem dias que acordo com vontade de te dizer algo. E hoje eu acordei com isso engasgado. Nem consegui tomar café de tanto pensamento. No trabalho só me distraía.

Eu e minha cabeça cheia de pensamentos!

Enfim, isso tudo eu poderia dizer em miseras duas linhas, mas agora vejo que no quesito escrever eu não sou nem um pouco prático.

Então vou te dizer só uma vez, certo?

Tenho saudades suas.

É isso. Saudades suas, porque a gente sente falta de alguém cuja presença faz tão bem, não é?

Presença essa que está comigo há um mês.

Mas quanto vale um mês?
Um mês as vezes demora uma eternidade,
Mas ao teu lado voou…
Um mês as vezes é ruim,
Mas ao teu lado é muito bom…
Um mês as vezes nada significa,
Mas ao teu lado já virou uma história…
Um mês as vezes é só um mês,
Mas ao teu lado cada mês é especial.

Pois bem, abre a porta e não esquece que eu te amo…

Pra se ler ouvindo Te Devoro – Djavan

Anúncios
Published in: on Agosto 24, 2015 at 1:13 pm  Deixe um Comentário  

Sobre Chico & Caetano

“Você gosta mais de Chico ou de Caetano?” A pergunta, recorrente nos círculos sociais brasileiros, reflete a imagem dicotômica construída em torno dessas personalidades da música. Chico e Caetano são marcos da música e cultura brasileira, não sendo exagero dizer mundial também.

Confesso que conhecia pouco da obra desses grandes ícones, não por falta de interesse, mas por falta de tempo hábil para se analisar detalhada e merecidamente a extensa e magnífica obra dos dois.

Essas semanas, ao me deparar com algumas canções e algumas apresentações, e analisando as letras e sonoridades mais a fundo, percebi que tudo que lia e que ouvia a respeito deles não era exagero em momento algum.

Chico e Caetano se cruzam e se distanciam no decorrer de suas carreiras artísticas, mas uma coisa sempre terão em comum: a genialidade.

E hoje eu me rendo a genialidade desses dois.

No vídeo vocês podem acompanhar Chico Buarque e Caetano Veloso fazendo uma interpretação conjunta das canções ‘Você não entende nada’ (de Caetano) e ‘Cotidiano’ (de Chico) no programa “Chico e Caetano” (TV Globo 1986).

Discurso Cínico sobre o 16/08/15

sapato-com-cristais-que-formam-bandeira-do-brasil-r-4945-de-fernando-pires-wwwfernandopirescombr-preco-pesquisado-em-julho-de-2013-e-sujeito-a-alteracoes-1373495156858_956x500

Deve ser a idade
a cruel percepção de mundo
que faz com que nós enxerguemos a
estrada com olhos encharcados de sangue

Deve ser os nossos tempos
entupidos de aproveitadores e incapacitados
mentalmente falando um
tempo propício para canalhas

Deve ser a bebida e
as drogas e as vagabundas
que condicionam as decisões mais escancaradamente
do que aconteceu antes

Deve ser a falência moral
que contagia todas as pessoas e as
famílias e instituições e religiões
que se mostram ridiculamente incapacitadas de reagir

Deve ser a falta de resistência
de compromisso e organização sem
ideais de heroísmo ridículo
pura resistência em nome da sobrevivência

Deve isso ser o bastante
porque se ninguém disser não
haverá uma corja de medíocres e aproveitadores
preparados para dizer sim.

Para se ler ouvindo Johnny Cash – She Used To Love Me A Lot

Published in: on Agosto 20, 2015 at 5:53 pm  Deixe um Comentário  

Toda Mulher é Uma Tola

xD

Terça-feira.

Não quarta de futebol ou quinta véspera de fim de semana.

Ou ainda fds, no qual as pessoas são menos verdadeiras consigo.

Um dia sem festejo inútil ou expressão de maravilhamento com a vida.

A terça é mais morta que a segunda.

A segunda ainda tem o ódio, a terça não tem nada.

Nada, exceto eu. Por isso bebo hoje.

Reprise do UFC na tv sem áudio e na outra, Zeca Baleiro e o coração do homem bomba.

No intervalo em que o garçom leva o copo vazio e traz outro, penso em minha vida.

Em todos os labirintos e becos sem saída que me trouxeram à porta desse bar.

Sorrio ao perceber como, por um tempo, acostumei-me à vida boa.

Naquela guerra, matava-se para comer e todos estavam famintos.

Éramos mais resignados com as pequenas adversidades.

Hoje há certo conforto que só requer um bom lugar em frente à TV para um programa reprisado.

Dê a todo homem o que ele acha que merece e as suas preocupações seguintes vão parecer fricotagem besta de garotas virgens.

Na maior parte dos casos, os homens permanecem em frente à TV.

Mas alguns deles, algo ínfimo para desafiar o paradigma, eles exigem mais do mundo.

Esperam a ressaca da festa da comemoração da realização de seus sonhos passar e partem em busca de mais.

Homens que estão sempre em eterno ciclo que fome e saciedade.

A cigana estava certa, os homens vivem muitas vidas – desde que queiram.

E eis-me aqui. Terça feira. E limiar de novos planos.

Na beirada de jogar pra cima a vida boa e cair na estrada de novo.

You can call me a madman but I’m spoken for

you can take my possessions, leaves me an open door

Bela cerveja. Penso se a troco pelo uísque.

Por que não, na verdade? Eis a pergunta que constitui o fardo dos inconformados.

Meu olhos procuraram o garçom.

Desistira da previsível cerveja, queria o velho, amargo e incerto uísque.

Avisto-o voltando com o chopp e, dentro do conhecido líquido amarelo, vejo-a entrando no bar.

Vinha encontrar as suas amigas que estavam na minha mesa ao lado.

Bonitas, nada espetacular. Como ela.

Mas ela tinha a chama. O fogo de Prometeu.

E um dia naquela guerra horrível, ele me deu esse fogo. E deu vida. Como no mito.

Ela se aproximou sorrindo com a mesma informalidade com que nos encontramos pela última vez.

Nem era noite ainda. Ela vinha como se estivesse saído da praia naquele instante.

“Eu conheço você, gata”.

“Eu também lhe conheço!” (mais…)

Published in: Sem categoria on Agosto 16, 2015 at 10:36 pm  Deixe um Comentário